Twitter Updates

sábado, 26 de outubro de 2013

Questão do Enem com gasolina com 'z' tem contexto histórico, diz MEC

Pergunta mostra charge sobre o governo JK do cartunista Théo.

Historiador de livro usado afirma que charge foi escrita assim pelo autor.

Thaís LimaDo G1, em São Paulo
12 comentários
Questão coloca a palavra 'gasolina' escrita com 'z' em prova deste sábado (26), do Enem (Foto: Reprodução)Questão coloca a palavra 'gasolina' escrita com 'z'
em prova deste sábado (26), do Enem (Foto:
Reprodução)
Neste sábado (26), uma questão da prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias relacionada ao governo de Juscelino Kubitschek mostra na charge do cartunista baiano Djalma Pires Ferreira, que assinava como Théo, a palavra gasolina com "z", em vez de trazer a escrita atual, que é com "s". A grafia chamou a atenção de alguns candidatos que prestaram a prova. Alguns, nas redes sociais, até brincaram com a situação, falando que "aprenderam no Enem" a nova forma de se escrever.
Procurado pelo G1, o MEC afirmou que a charge foi inserida na íntegra na prova deste sábado, e que tem um contexto histórico e irônico. O ministério lembrou ainda que outra palavra ("doutô") também aparece fora da norma culta na charge.

Aluno brinca com a grafia da palavra gasolina no Enem (Foto: Reprodução/Twitter)O professor de história do Brasil da UFRJ, Renato Lemos, que compilou charges no livro apontado pelo Enem como local de onde extraiu o desenho, "Uma história através da caricatura (1840-2001)", afirma que a palavra foi escrita desta forma pelo autor. "A charge foi publicada em 1960, depois da primeira reforma ortográfica, que foi em 1943 e que definiu gasolina com 's'. Mas as pessoas, por um bom tempo, ainda usaram 'gás' e 'gasolina', por exemplo, com 'z'", afirma.
Aluno brinca com a grafia da palavra gasolina
no Enem (Foto: Reprodução/Twitter)
O livro, segundo o professor, é usado em muitos vestibulares por conter charges que refletem vários períodos históricos do país. Mas, ele afirma, que não foi avisado pelo MEC que sua obra seria utilizada na prova.
O Professor Sérgio Nogueira, colunista do G1, afirma que a palavra nunca foi escrita com "z", nem mesmo na época em que a charge foi publicada, em 1960. "Antes de 1943, não havia registro das palavras. Mas depois aconteceu a reforma ortográfica. Pode ser uma ironia do chargista", conta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...