quarta-feira, 10 de junho de 2015

Com brigadeiro de tequila, casal tenta juntar R$ 15 mil para bancar casório

Dinheiro curto levou pedagoga e publicitário a criar quitutes para vender.

Doces diferentes ganharam público e ajudam a engordar conta dos noivos.

Amanda Pioli
Do G1 Ribeirão e Franca
Vivian e Gustavo vendem brigadeiros para juntar R$ 15 mil e bancar o casamento (Foto: Amanda Pioli/G1)Vivian e Gustavo vendem brigadeiros para juntar R$ 15 mil e bancar o casamento (Foto: Amanda Pioli/G1)
O sonho de casar e passar a lua de mel em Cancun, no México, fez com que os namorados Vivian Pantalena e Gustavo Martins Machado encarassem a realidade. Ao fazer as contas, o casal de Ribeirão Preto (SP) percebeu que para fazer tudo do jeitinho como planejavam não bastava só o amor, mas também desembolsar no mínimo R$ 15 mil.
Com o orçamento apertado e com o casório marcado para 16 de julho de 2016, a pedagoga e o publicitário começaram a pensar em soluções até que surgiu a ideia - misturar chocolate, boas doses de tequila e whisky e uma história de amor. A união rendeu brigadeiros especiais, que começam a ganhar clientela e a engordar a conta do casal de olho no casamento.
Pode demorar um pouco mais, não ser o casamento do ano, mas nós nos amamos muito."
Vivian  Pantalena, noiva e doceira
Romance
Vivian e Gustavo se conheceram há sete anos, quando ainda estavam no cursinho. Eles passaram quatro anos sem se ver, até que em 2011 se reencontraram em um show. Acompanhada do pai, que queria ir embora, Vivian viu Gustavo no meio da multidão e decidiu que queria ficar com ele. “Ela apontou o dedo pra mim, veio conversar comigo. Depois a gente se encontrou de novo e aí começamos a sair”, lembra o publicitário.

O pedido de casamento aconteceu no terceiro ano de namoro, no aniversário de Gustavo. Ele fazia parte de uma banda e durante o show dedicou à namorada a música Rock’n’Roll, do Led Zeppelin, banda preferida dela. Em seguida, pediu Vivian em casamento.
“A gente já tinha conversado sobre isso, ido atrás das alianças, então sabia que ele ia me pedir a qualquer momento, mas eu não imaginava que seria daquele jeito. As pessoas no bar começaram a perguntar se eu que tinha sido pedida em casamento, pediram para ver a aliança. Foi divertido”, conta Vivian.
Os brigadeiros de whisky e de tequila são o carro-chefe das vendas do casal de Ribeirão Preto, SP (Foto: Amanda Pioli/G1)Os brigadeiros de whisky e de tequila são o carro-chefe das vendas do casal  (Foto: Amanda Pioli/G1)
Planos
De lá para cá, os noivos não pararam de pensar no tão esperado dia. “Começamos a discutir como faríamos para guardar dinheiro. Sempre tivemos em mente que não íamos fazer festa, mas tem aviagem de lua de mel, tem os móveis. Até que um dia eu estava indo para o trabalho e ele me ligou dando a ideia de fazer brigadeiro. Foi do nada, mas foi quando deu um estalo”, lembra a pedagoga.

Filha de uma doceira de mão cheia e neta de uma boleira, a noiva percebeu que a ideia podia não ser tão louca quanto parecia. Uma vez que tanto ela quanto o noivo não ganhavam o suficiente para guardar dinheiro, por que não tentar um novo caminho?
“Vimos que os brigadeiros eram uma decisão acertada, porque não tem uma pessoa que não gosta de brigadeiro. Tem sabor para todas as idades. E serve inclusive para presente”, destaca.

Gustavo ajuda Vivian no preparo dos brigadeiros especiais (Foto: Amanda Pioli/G1)Gustavo ajuda Vivian no preparo dos brigadeiros especiais (Foto: Amanda Pioli/G1)
Primeiros sabores
A produção dos brigadeiros começou imediatamente. Já na cozinha, Vivian começou a testar possíveis receitas que fugissem do convencional, embora o tradicional chocolate tivesse espaço reservado no cardápio.

“Eu cheguei em casa e vi uma garrafa de whisky que a gente nunca tinha aberto e resolvi testar”, conta. Depois veio a tequila. Os primeiros doces, com sabores novos e tradicionais, foram vendidos para vizinhos e no trabalho.
Se a pessoa não está convencida de comprar, ela leva um para nos ajudar. "
Gustavo  Machado, noivo
Com a aprovação, logo vieram as encomendas. O tempo passou a correr contra e os dois passaram a dividir as tarefas. Enquanto Vivian ficou com a criação e a produção, Gustavo passou a cuidar das compras, das contas, da pia de louça suja e até da confecção de alguns doces.
Em uma semana, oINVESTIMENTO inicial de R$ 150 foi recuperado e o casal somou as primeiras cifras, vendendo cada brigadeiro a R$ 3. “Quando nos demos conta, os brigadeiros alcoólicos viraram nosso carro-chefe, porque são realmente diferentes. Somos os únicos em Ribeirão que fazem de tequila, por exemplo”, orgulha-se Vivian, sem revelar a receita.
Segundo a noiva doceira, os brigadeiros de tequila e de whisky, experimentos no início, são agora os mais pedidos. Entre os recheios alcoólicos estão ainda cerveja, cachaça, champagne, vinho do porto, licor de chocolate. “O desafio é fazer o brigadeiro da bebida que o cliente pede. Eu não falo de primeira se vai dar certo, se for uma bebida que eu não conheço, mas vou testar”, garante a noiva.
Tequila, whisky, licor, cachaça e até cerveja são usados nos recheios dos brigadeiros (Foto: Amanda Pioli/G1)Tequila, whisky, licor, cachaça e até cerveja são usados nos recheios dos brigadeiros (Foto: Amanda Pioli/G1)
Para paladares mais variados, há sabores como milho, goiabada, torta de limão e manjericão. As receitas deram tão certo, que atualmente, a produção é de aproximadamente mil brigadeiros por mês.
Gustavo acredita que os sabores não são a única razão do sucesso de vendas - a história de amor dos dois é o ingrediente indispensável. “Se a pessoa não está convencida de comprar, ela leva um para nos ajudar. Então [o casamento] foi um motivador e fez a gente ganhar clientes.”
Para Vivian, ao comprar, as pessoas percebem que estão apoiando algo especial. “Além de você comer um brigadeiro, que é bem gostoso e diferente, você vai ajudar duas pessoas a realizarem o sonho de casar.”
Tequila, whisky, licor, cachaça e até cerveja são usados nos recheios dos brigadeiros (Foto: Amanda Pioli/G1)
Tequila, whisky, licor, cachaça e até cerveja são
usados nos recheios (Foto: Amanda Pioli/G1)
Romance na cozinha
Em meio a acertos e erros nas receitas, o casal diz ter ficado ainda mais unido. “Nós estamos juntos há três anos e meio. Quantos casais têm a oportunidade de fazer alguma coisa juntos nesse tempo? Começamos a conhecer coisas do outro que não sabíamos, porque a gente dentro de casa e em ambiente de trabalho é muito diferente. Então, nós estamos convivendo nos dois e vendo os dois lados”, afirma Vivian.

Surpresos com o sucesso dos brigadeiros, o casal está otimista e acredita que logo alcançará a meta dos R$ 15 mil planejados. Agora, eles já cogitam até mesmo lucros mais promissores, já que a produção de doces virou uma fonte de renda maior que a esperada.
“Nós temos o foco do casamento. A gente não perdeu isso e sempre vai ser nosso objetivo princial. Mas a gente já sonha em ter algo a mais, quem sabe até montar uma brigaderia”, diz a noiva.
Mesmo tão centrada em alcançar o objetivo, Vivian declara que a vontade de ter Gustavo ao seu lado para sempre é maior do que qualquer meta empreendedora. "A gente briga, discute, discorda, mas o amor é imenso. Pode demorar um pouco mais, não ser o casamento do ano, mas nós nos amamos muito. Dinheiro pode faltar, mas amor sobra de baldes."
O casal de Ribeirão Preto quer passar a lua de mel em Cancun, no México (Foto: Amanda Pioli/G1)O casal de Ribeirão Preto quer passar a lua de mel em Cancun, no México (Foto: Amanda Pioli/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

BRASIL - Sem choro ou lamentações. Temos problemas maiores e reais para resolver

  Por Arnold Coelho Jornalista MTB 6446/BA O Brasil dos jogadores milionários, das dancinhas ensaiadas, das firulas e as festanças com muito...