EM CASA

EM CASA

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Mesa do Senado aprova fim dos 14º e 15º salários para parlamentares

Projeto ainda precisa ser aprovado pelo plenário e pela Câmara.
Cada deputado e senador recebe R$ 26,7 mil por mês, fora benefícios.

Iara Lemos Do G1, em Brasília

Senadoress da Mesa Diretora discutem com servidores fim do 14º e 15º para parlamentares (Foto: Jonas Pereira/Agência Senado) 
Senadores da Mesa Diretora discutem com
servidores fim do 14º e 15º para parlamentares
(Foto: Jonas Pereira/Agência Senado)
A vice-presidente em exercício do Senado, Marta Suplicy (PT-SP), anunciou nesta quarta-feira (18) que a Mesa Diretora da Casa decidiu, por unanimidade, aprovar o fim dos 14º e 15º salários pagos anualmente aos senadores e deputados federais. Atualmente, cada parlamentar recebe R$ 26,7 mil por mês, fora benefícios, como plano de saúde, cota para gastos de gabinete (que cobre telefone, correspondências, transporte, etc.), além de passagens áreas.
O projeto de decreto prevendo o fim dos pagamentos ainda precisa ser apreciado pelo plenário do Senado, o que deverá ocorrer na próxima semana, segundo a presidente. Depois, ainda vai para apreciação da Câmara e, se for alterado, volta para o Senado, que o promulga, caso seja aprovado.
"A decisão sobre o decreto do 14º e 15º subsídios serem extintos [...] foi aprovado por unanimidade. Agora vai para plenário [...] Ele [decreto] estará apto para votar a partir de quarta-feira [25]", disse Marta, que ocupa interinamente a presidência do Senado.
O fim dos 14º e 15º salários já havia sido aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado no final de março. O relatório, de autoria do senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que pedia o fim do benefício, foi aprovado sem nenhuma alteração.

Segundo a presidente em exercício do Senado, caso o projeto do decreto seja aprovado, passará a valer já para o mês de dezembro deste ano, quando seriam efetuados os pagamentos. Para a presidente, não faz sentido manter os pagamentos extras.
"Toda a redução é bem-vinda. São subsídios de uma época que o Senado era no Rio de Janeiro, e ajudava as famílias a se locomoverem. É algo que não estaria mais fazendo sentido fora do período de quando foi instituído", disse a senadora.
Segundo Marta, o presidente licenciado, José Sarney (PMDB-AP) foi consultado sobre a decisão da Mesa. Sarney está de licença médica da Casa por 15 dias. Ele está internado desde o último sábado (14) no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, recuperando-se de um cateterismo.
"Eu consultei o presidente Sarney, sobre o que ele achava de colocar em votação agora [o projeto], e ele incentivou . Estamos simplesmente retirando algo que estava instituído desde que o Senado foi criado e ficou", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...