DAHIANA DIVULGAÇÃO

DAHIANA DIVULGAÇÃO

ADAUTO NASCIMENTO

ADAUTO NASCIMENTO

SAAE

SAAE

quarta-feira, 31 de julho de 2013

IBICARAÍ – PREFEITO ENTREGA MAIS UM ÔNIBUS E MAIS UMA RETROESCAVADEIRA.



    
  Na manhã desta quarta-feira (31), o prefeito Lenildo Santana entregou para comunidade ibicaraienses, mais um ônibus Escolar e uma retroescavadeira oriundos de recurso federal, mas vale salientar, que o município de Ibicaraí só conseguiu mais esta aquisição, graças ao prestigio do prefeito Lenildo Santana e por causa das forças do deputado federal Geraldo Simões (PT) e do deputado estadual Rosemberg Pinto (PT).

   Na oportunidade o prefeito Lenildo Santana desfilou com os novos equipamentos pelas Ruas e Avenidas de Ibicaraí. -Esta segunda retroescavadeira, será de grande valia, principalmente no que se diz respeito à limpeza da cidade e ao apoio aos agricultores na zona rural, e que o novo ônibus escolar totalmente adequado para o transporte na zona rural e dará maior conforto e comodidade para os usuários (alunos), disse o prefeito Lenildo Santana.

   O prefeito Lenildo Santana ainda disse que, está previsto para ainda este ano a aquisição de mais uma motoniveladora (patrol) e u basculante um caminhão (caçamba), ainda disse que tudo isso, é graças às parcerias com o governo do estado e federal, por intermédio dos deputados Geraldo Simões e Rosemberg Pinto.

 








Morre suspeito de atear fogo em imóvel do AfroReggae no Alemão, Rio

Wagner da Silva teve 30% do corpo queimado e estava sob custódia.
ONG inaugurou prédio e voltou à comunidade nesta quarta-feira.

Do G1 Rio
Wagner Morais da Silva, de 20 anos, suspeito de atear fogo no imóvel do AfroReggae, no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, morreu nesta quarta-feira (31). Ele estava preso sob custódia no Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz, desde 16 de julho, quando aconteceu o incêndio.
No dia 16, assim como a pousada do AfroReggae, a redação do jornal comunitário "Voz da Comunidade", no Beco da União, na localidade da Grota, também foi incendiada. As chamas atingiram o primeiro e o terceiro andar do prédio de três pavimentos.
O coordenador da ONG, José Júnior, chegou a informar que duas a quatro pessoas teriam invadido a pousada. Wagner da Silva foi encontrado dentro do imóvel e era apontado pela polícia como o principal suspeito. Ele teve 30% do corpo queimado.
Inauguração
O grupo AfroReggae voltou com suas atividades no Conjunto de favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, nesta quarta-feira (31), em um novo espaço. No entanto, na noite de terça-feira (30), a pousada mantida pelo grupo na comunidade foi alvejada por oito tiros de fuzil, de acordo com o coordenador do AfroReggae, José Junior. O imóvel é o mesmo que pegou fogo no dia 16. Para Junior, os dois ataques foram premeditados e comandados pelo pastor Marcos Pereira, preso acusado por estupro. A polícia investiga se o incêndio foi criminoso.
Coordenador do AfroReggae acusa pastor Marcos Pereira de ter encomendado disparos  (Foto: Mariucha Machado / G1)Coordenador do AfroReggae acusa pastor Marcos Pereira de ter encomendado disparos (Foto: Mariucha Machado / G1)

Procurado pelo G1, o advogado do pastor Marcos Pereira, Marcelo Patrício, respondeu: “Isso é impossível. Só se o pastor for telepata, porque ele não se comunica com ninguém lá dentro. Ele está recebendo visitas da família uma vez por semana só. Essas acusações são ridículas. Nem com outros presos ele tem contato, porque ele está em uma cela isolada.”
Após o incêndio, o AfroReggae resolveu encerrar seus núcleos no Alemão. A Prefeitura do Rio assumiu a responsabilidade pelo novo espaço na comunidade, dando um caráter mais oficial e estatal às atividades sociais desenvolvidas no conjunto de favelas.
Na inauguração, o comandante das UPPs, coronel Paulo Henrique de Moraes confirmou que uma rajada de tiro atingiu a pousada do AfroReggae por volta das 20h de terça. Segundo ele, os tiros foram dados de longa distância. Além do oficial, o governador Sergio Cabral, o vice Luiz Fernando Pezão e o secretário de Segurança José Mariano Beltrame participaram.
Segundo o coordenador do AfroReggae, a fachada da pousada ficou bem danificada com os tiros. "Eu acho que eles queriam intimidar para não abrir hoje". Junior contou que a equipe está com medo, mas se o AfroReggae fechar vai ser um retrocesso. Ele contou ainda que o trabalho social vai ser ampliado.
Junior afirmou que vai andar com seguranças particulares, a partir desta quarta-feira. "Eu não estou seguro desde fevereiro de 2012, quando denunciei o pastor Marcos Pereira. Já estamos numa guerra. Ja está declarado que há uma guerra e querem me matar. Eu tenho receio dos inocentes", afirmou.
O secretário Beltrame não descarta que o tiroteio de terça-feira no Alemão tenha sido em represália a José Junior. "Nós não podemos esquecer do que tínhamos aqui. A ação do tráfico aqui. A políia daqui não sai, só aumenta". Beltrame afirmou que José Junior terá todos os cuidados necessários. " O movimento é mais contra ele, contra a sua história, mais do que contra a UPP".

terça-feira, 30 de julho de 2013

O CLUBE DOS QUARENTA DO JEITO QUE O ASSOCIADO GOSTA.

   Otávio Batista eleito presidente do Clube dos Quarenta no inicio do ano de 2013, vem fazendo uma administração voltada ao anseio do associado, o Clube retomou a máxima que diz que “É TUDO PARA O ASSOCIADO QUE SE MANTEM EM DIA”.

    Otávio que já foi presidente do Clube, quando da retomada da credibilidade, relembremos. O Clube estava em uma situação degradante, quando um grupo de amigos (associados) se reuniram com o intuito de fazer o resgate do mesmo, e este grupo (no qual eu me incluía) elegeu o então Capitão Lima como presidente este e retirou o Clube do buraco e administrou com pulso forte, como se exigia á época trazendo os sócios a tornarem a ficarem em dia e principalmente colaborar com o Clube.

  Depois foi a vez do mesmo grupo com o aval do então Capitão Lima, apoiar e eleger Adelino Ribeiro dos Santos Junior (Júnior da Banca), que pegou o Clube e levou para bem longe do buraco (lembrando que o Capitão Lima retirou o clube do buraco), Júnior fez uma administração brilhante também voltado para o anseio popular, Júnior inclusive fez obras com dinheiro do próprio bolso.

   Depois de Júnior foi à vez de Otávio Batista, que fez uma administração seguindo a mesma linha de trabalho do Major Lima que na época era Capitão e também de Júnior, Otavio manteve o clube com moral e o associado com a alto estima elevada, e depois de quatro anos afastado da diretoria do Clube, Otávio Batista, mais uma vez volta a ser presidente e nestes seis meses de gestão, já colocou o Clube dos Quarenta no mais alto patamar, o Clube voltou aos seus dias áureos, o associado que se mantem em dia com suas obrigações voltou a ter valor e a ser presença exclusiva.

A mais nova novidade é o evento chamado happy hour, que acontece todas às sextas-feiras depois das rodadas a noite, sempre com músicos da terra.  Já aconteceram três edições do happy hour no Clube dos Quarenta e foi sucesso total. Estamos trabalhando com todas às atenções voltadas para o associado do C40, POIS O NOSSO INTERESSE É AGRADAR ÚNICO E EXCLUSIVAMENTE AO ASSOCIADO ADIMPLENTE DO CLUBE DOS QUARENTA, disse o presidente Otávio Batista.


'Não queremos novos moradores', diz prefeito de cidade nº 1 no IDH no país


São Caetano do Sul lidera ranking de desenvolvimento humano no país.
Moradores pedem mais segurança; Prefeitura afirma que está atuando.

Rosanne D'Agostino Do G1, em São Paulo
Moradores de São Caetano do Sul aproveitam a tarde de segunda-feira no parque da Avenida Kennedy e elogiam segurança da cidade (Foto: Rosanne D'Agostino/G1)Moradores de São Caetano do Sul aproveitam tarde
de segunda-feira no parque da Avenida Kennedy e
elogiam segurança da cidade
(Foto: Rosanne D'Agostino/G1)
Morar em São Caetano do Sul, na Região Metropolitana de São Paulo, cidade mais uma vez líder no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do país, não será tarefa fácil nos próximos anos. Para manter a qualidade dos serviços municipais, o prefeito do município afirma que está “desestimulando” as construtoras de empreendimentos residenciais a construírem na cidade. “Não queremos ser cidade dormitório”, afirma Paulo Pìnheiro.

O IDH mede o nível de desenvolvimento humano de determinada região. O estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) foi divulgado nesta segunda-feira (29) intitulado "Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013".
O IDH dos municípios vai de 0 a 1 e considera indicadores de longevidade (saúde), renda e educação. São Caetano, que tem 149.263 habitantes, segundo dados do IBGE, tem índice de 0,862 e está entre os 44 municípios do país a registrar desenvolvimento humano "muito alto" (acima de 0,800). O IDHM do Brasil é 0,727, considerado "alto" (entre 0,700 e 0,799).
Entre 2000 e 2010, o que mais cresceu em termos absolutos no município foi educação (com crescimento de 0,071), seguida por renda e por longevidade. O prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) comemora os índices, mas afirma que, para manter a qualidade de vida para a população, a cidade deverá priorizar os prédios comerciais.
“Não queremos novos moradores, realmente. Se não, aumenta muito a quantidade de moradores e o orçamento da prefeitura é o mesmo. Então todos esses serviços que a gente gasta a mais com essa família é muito mais do que o IPTU que ela paga para o município. Por isso que a gente quer prédios comerciais”, diz.
Na Avenida Presidente Kennedy, uma das principais de São Caetano do Sul, há uma ciclovia com projeto paisagístico próprio, que ocupa todo o canteiro central. É possível andar de bicicleta e fazer caminhadas. (Foto: Rosanne D'Agostino/G1) 
Na Avenida Presidente Kennedy, uma das principais de São Caetano do Sul, há uma ciclovia com projeto paisagístico próprio, que ocupa todo o canteiro central. É possível andar de bicicleta e fazer caminhadas. (Foto: Rosanne D'Agostino/G1)
Qualidade tem preço
Os moradores elogiam a cidade, mas afirmam que a qualidade "tem preço". “Aqui é muito calmo, tranquilo. Tem saúde, educação. Nós viemos por causa do trabalho dos nossos maridos. A terceira idade tem muitas regalias, programas de natação, ginástica. Minha sogra faz dança, viaja em grupo”, afirma a moradora Michele Rosa de Souza, de 27 anos. "Mas é tudo mais caro. A gente sai e vai para Santo André [cidade vizinha no ABC Paulista] comprar tudo, roupa, comida. É muito mais caro que em outras cidades", diz, enquanto brinca no parque da Avenida Kennedy com a filha no bairro Olímpico.
“Pela qualidade dos serviços que a cidade tem, aí encarece. O aluguel aqui é mais caro, o metro quadrado do que as cidades vizinhas. Mas vale a pena. É compensador”, diz o prefeito.
Nos bairros principais, há pontos de ônibus novos com cobertura (Foto: Rosanne D'Agostino/G1)Nos bairros principais, há pontos de ônibus novos
com cobertura (Foto: Rosanne D'Agostino/G1)
É a terceira vez que o órgão da ONU realiza o levantamento. Nesta edição, a pior avaliação é do município de Melgaço, no Pará. São Caetano, que faz divisa com a capital paulista, teve também o melhor IDHM em 2003 e em 1998.
Segurança
“Também tem cursos de inglês, as escolas são muito boas. Mas nas entradas da cidade, principalmente na divisa com Santo André, anda meio perigoso”, critica Liliane Sales, de 36 anos, que mora há dois no bairro Barcelona.
“Aumentou um pouco o assalto mesmo. Meu cunhado foi assaltado no sinal às 9h perto da Avenida [Almirante] Delamare”, complementa Michele. A avenida fica próxima ao bairro de Heliópolis, a maior favela da capital paulista. “Ali já teve arrastão e nada muda.”
Apesar disso, os moradores afirmam que a cidade tem muitos pontos positivos, entre eles pontos de ônibus novos, ruas asfaltadas e nenhuma favela. “Aqui é tudo de bom”, diz Iracema Conceição, que saiu do bairro do Ipiranga para ir ao médico em São Caetano. “Minhas irmãs moram aqui. Se eu pudesse, morava também. Favela você não vai achar não, difícil”, diz. “Mas aqui é muito caro para mim.”
"Aqui nunca teve favela, é uma cidade que é rodeada de favela, mas que não tem favela”, afirma o prefeito. As favelas do entorno, como Heliópolis, no entanto, acabam aumentando os índices de criminalidade do município, afirma.
“Isso prejudica a qualidade da segurança da cidade. E a expectativa também. Nós estamos atuando. Já fui conversar com o secretário de Segurança Pública, que já mandou viaturas permanentemente, e o índice melhorou bastante, embora exista”, diz Pinheiro.
Moradora há quase 40 anos do bairro Barcelona, em São Caetano, Suely Panov, 64, diz saúde já foi melhor. 'Nenhuma cidade está livre de problemas.' (Foto: Rosanne D'Agostino/G1)Moradora há quase 40 anos do bairro Barcelona,
em São Caetano, Suely Panov, 64, diz saúde já foi
melhor. 'Nenhuma cidade está livre de problemas.
(Foto: Rosanne D'Agostino/G1)
Longevidade
Em São Caetano do Sul, a esperança de vida ao nascer aumentou 6,1 anos nas últimas duas décadas, passando de 72,1 anos em 1991 para 78,2 anos em 2010. Naquele ano, a esperança de vida ao nascer média para o Estado era de 75,7 anos e, para o país, de 73,9 anos.
Moradora há quase 40 anos do bairro Barcelona, em São Caetano, Suely Panov, de 64 anos, diz que não sai mais de lá, nem por Porto Alegre, sua cidade natal. “A parte médica é muito boa, educação, saúde. Aqui eu brinco com as crianças no parque, é seguro”, conta.
A professora aposentada, no entanto, pede melhorias. “Não pode reclamar, tem lugares piores. Mas claro que sempre pode melhorar. Acho que a saúde, por exemplo, já foi melhor.”
Nenhuma cidade está livre de problemas. Nós fazemos a nossa parte, e eles têm que fazer a deles"
Suely Panov, 64, professora aposentada
Suely trabalha como voluntária em um lar que abriga mulheres. “Eu acho que em qualquer cidade a gente tem problemas. Essas mulheres em situação de rua, por exemplo, a prefeitura deveria ajudar, mas nós que ajudamos. Nenhuma cidade está livre de problemas. Nós fazemos a nossa parte, e eles têm que fazer a deles.”
Renda e educação
A renda per capita média de São Caetano do Sul cresceu 84,53% nas últimas duas décadas, passando de R$ 1.107,53 em 1991 para R$ 2.043,74 em 2010. A extrema pobreza passou de 1,35% em 1991 para 0,09% em 2010. São as famílias que recebem menos de R$ 70 per capita (por pessoa).
Com relação aos índices de renda, o prefeito afirma que a cidade tem focado na distribuição de renda para pessoas mais necessitadas, “para não ter desigualdade, tentar equalizar, para que a cidade não tenha nenhum miserável”. “Estamos abrandando essa situação."
Ainda segundo o prefeito, na educação, em todas as faixas etárias houve aumento de fluxo escolar, em percentuais superiores à média nacional. “A população aumentou e nós absorvemos essas crianças. Já na saúde, nós temos cinco hospitais, compatíveis com a população, em número de leitos, de médicos suficientes. Na área da saúde somos autossuficientes. Temos um hospital de emergências com volume grande. Vem muita gente de fora ser socorrida na área de emergência”, afirma Pinheiro.

Médicos paralisam atividades nesta terça contra medidas do governo

Segundo associação, casos de urgência e emergência serão atendidos.
Na quarta-feira, previsão é de que greve chegue a 20 estados o DF.

Fabiano Costa Do G1, em Brasília
Comente agora
Médicos de pelo menos 16 estados e do Distrito Federal devem suspender nesta terça-feira (30)  os atendimentos na rede pública e privada de saúde, segundo previsão da Federação Nacional dos Médicos (Fenam). A expectativa é de que na quarta-feira outros 4 estados também tenham protestos, levando o total para 21. A greve é para marcar posição da categoria contra atos do governo federal, como a contratação de profissionais estrangeiros pelo programa Mais Médicos.
Apesar da greve, a associação que representa 53 sindicatos ligados à classe médica orientou para que casos de urgência e emergência sejam atendidos. Os clientes de planos de saúde também serão afetados pela greve.
De acordo com a Fenam, deverão aderir aos dois dias de paralisação desta semana os médicos de Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Sergipe.

Como cada associação estadual tem autonomia para decidir a extensão da greve, os sindicatos de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Tocantins optaram por participar da mobilização da Fenam apenas na quarta-feira.
É segunda vez, em um intervalo de uma semana, que a categoria cruza os braços em protesto contra decisões do governo federal, entre elas o lançamento do programa Mais Médicos e os vetos parciais da presidente Dilma Rousseff à Lei do Ato Médico, que determina atividades exclusivas aos profissionais da medicina. A primeira paralisação dos médicos, no dia 23 de julho, contou com a adesão de ao menos 16 estados, informou a Fenam.
As paralisações fazem parte do calendário de greve estabelecido pela Fenam para registrar o descontentamento da categoria com as medidas adotas pelo Executivo federal sem o consentimento dos médicos. Conforme a entidade, “caso não haja avanços no movimento”, os sindicatos médicos poderão decretar greve por tempo indeterminado a partir de 10 de agosto, dia em que está agendada a última atividade das paralisações relâmpago.
No Maranhão, os médicos fizeram manifestação na Praça Gonçalves Dias contra o veto da presidente Dilma Rousseff à lei do Ato Médico e contra a contratação de médicos estrangeiros pelo governo federal, pelo programa Mais Médicos.
O médicos do Espírito Santo, tanto da rede pública quanto da privada, também pararam nesta  terça-feira (30). De acordo com o Sindicato dos Médicos do estado (Simes), a decisão foi tomada com objetivo de lutar por melhorias na categoria e também por direitos de estudantes de medicina.
Em Goiás, a paralisação deve ocorrer nesta terça e na quarta e também tem como alvo a contratação de estrangeiros pelo programa Mais Médicos.
No dia 8 de agosto está programada uma marcha de profissionais da medicina em Brasília. Na ocasião, será realizada uma audiência pública sobre o Mais Médicos no Congresso Nacional.
Batalha judicial
A crise entre as entidades médicas e o governo federal acabou nos tribunais. Inconformados com as medidas adotadas pelo Executivo para tentar suprir a carência de médicos em regiões pobres, a Fenam, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (AMB) ingressaram com diferentes ações judiciais para tentar suspender o programa Mais Médicos.
Na última sexta (26), o presidente em exercício do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, negou pedido da AMB para suspender a medida provisória que criou o Mais Médicos. Segundo o magistrado, não cabe ao Supremo definir se a MP atendeu às exigências de relevância e urgência, como reclamavam as associações.
A Fenam e o CFM optaram por ingressar com ações civis individuais na Justiça Federal para reivindicar a suspensão do programa federal. O processo será analisado pela 22ª Vara da Justiça Federal do DF.
Nas ações judiciais, as entidades médicas pedem que os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) só realizem o registro provisório dos médicos intercambistas que aderirem ao programa mediante a apresentação da revalidação do diploma expedido fora do país e do certificado de proficiência em língua portuguesa.
Esses requisitos, exigidos para qualquer médico formado fora que queira trabalhar livremente no Brasil, foi dispensado pelo governo para os candidatos inscritos no programa, que obriga os médicos a atender em áreas específicas.
Na defesa do governo, a Advocacia-Geral da União (AGU) argumentou que os médicos estrangeiros que forem contratados para atuar em regiões carentes do país passarão por "intensa" avaliação.  A AGU também alegou no documento enviado na última sexta à Justiça Federal que os médicos de fora do país passarão por treinamento em que vão ter acesso a informações, entre outros temas, sobre o SUS, e também lições de português.
"Em relação à qualidade dos serviços que serão prestados pelos profissionais no Brasil, será feito um intenso processo de avaliação pelas instituições de ensino superior participantes do projeto, as mesmas que concedem o Revalida, para que eles possam atuar no país", ponderaram os advogados da União na defesa do processo.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Internauta registra formação de bananas dentro de 'pseudocaule'

O fato aconteceu com um fruticultor de Sarandi, no norte do Paraná.
Engenheiro agrônomo afirma que a formação de frutos na árvore é rara.

Yoshinobu Inokuma Internauta, Sarandi, PR

Os frutos da bananeira estão em condições normais, de acordo com o fruticultor (Foto: Yoshinobu Inokuma/VC no G1) 
Os frutos da bananeira estão normais, diz o
fruticultor (Foto: Yoshinobu Inokuma/VC no G1)
O internauta Yoshinobu Inokuma, de Sarandi, no norte do Paraná, registrou a formação de cachos de bananas dentro do “caule falso” (pseudocaule) de uma das árvores do pomar dele. O caso, segundo ele, é raro, já que o comum é que os frutos nasçam pendurados nos galhos.
“Nunca vi algo assim. O pseudocaule começou a descascar e, quando vi, as bananas estavam nascendo dentro dele. É esquisito. Procurei na internet e só achei um caso igual ao meu”, conta o aposentado de 68 anos, que cultiva bananas por hobbie há três anos.
Inokuma diz que os frutos nascidos na bananeira estão em condições normais, mas prevê que não poderá colhê-los. “Acho que não vou colher, não. Como está estranho, vou deixar crescer mais um pouco e sacrificar a árvore. É coisa da natureza, né? Fazer o quê?”, lamenta.

Nota da Redação: procurado pelo G1, o engenheiro agrônomo da Emater Jorge Ogasawara, explicou que o nascimento das bananas no pseudocaule é realmente incomum e deve ter ocorrido em razão de um ferimento causado na árvore. “Provavelmente houve corte no pseudocaule com alguma faca, por exemplo, causando o nascimento dos frutos no local da ferida”, diz.
Ogasawara acrescentou que os frutos serão prejudicados para o consumo. “As bananas, com certeza, serão pequenas e com pouca qualidade. O produtor, provavelmente, não poderá consumir ou comercializar essas bananas”, garante.

Estudo associa consumo de café com menor risco de suicídio

Motivo pode ser o efeito antidepressivo da cafeína.
Pessoas deprimidas, contudo, não devem tomar mais café, dizem autores.

Do G1, em São Paulo

Famoso cafezinho traz muitos benefícios (Foto: Mariane Rossi/G1)Café pode ter efeito antidepressivo
(Foto: Mariane Rossi/G1)
Estudo feito na Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos EUA, associa o consumo de café com a redução de cerca de 50% do risco de suicídio em homens e mulheres. O trabalho foi publicado no “The World Journal of Biological Psychiatry”.
Analisando dados de três grandes estudos feitos com mais de 208 mil pessoas, os pesquisadores identificaram que quem toma entre duas e quatro xícaras diárias de café com cafeína tem uma tendência ao suicídio menor do que quem ingere café descafeinado ou não toma a bebida. 
A explicaçãopode estar no fato de a cafeína, além de ser um estimulante, ter um leve efeito antidepressivo ao estimular a produção de neurotransmissores como a serotonina, a dopamina e  noradrenalina.
Apesar da conclusão do estudo, seus autores recomendam que adultos deprimidos não tomem mais café, porque em geral as pessoas já fazem um consumo do produto num nível ajustado ao seu bem-estar. Se passarem a tomar mais, podem sentir efeitos desagradáveis do excesso de cafeína

Novas cédulas de R$ 2 e R$ 5 começam a circular nesta segunda



Novas cédulas têm tamanhos diferenciados e novos itens de segurança.
Em 2012, BC colocou em circulação as novas cédulas de R$ 10 e R$ 20.

Do Valor OnLine

economia; cédulas (Foto: Divulgação)Cédulas da nova família do real
(Foto: Divulgação)
Começam a circular nesta segunda-feira (29) as novas cédulas de R$ 2 e R$ 5, da segunda família do real, informou o Banco Central (BC).
De acordo com comunicado do Departamento do Meio Circulante, as notas de R$ 2 mantêm o padrão de cor predominante azul, mas terá novas dimensões. A nota de cinco segue com o tom predominante lilás e passa a apresentar um tamanho diferente do atual.
As novas cédulas do real têm tamanhos diferenciados, marcas táteis em relevo e novos itens de segurança. (Clique para conhecer, no site do BC, os itens de segurança das notas)
Os principais itens de segurança nas duas cédulas são a marca d'água, o "quebra cabeças", no qual o valor da cédula aparece quando examinada contra a luz, marcas em alto relevo e elementos fluorescentes, visíveis sob a luz ultravioleta.
Em julho de 2012, o BC colocou em circulação as novas cédulas de R$ 10 e R$ 20 – que deverão substituir as notas antigas, destes valores, até meados de 2014 – antes da Copa do Mundo. As cédulas de R$ 50 e R$ 100 da nova família do real já estão em circulação, e espera-se que as notas antigas, destes valores, sejam trocadas até o fim de 2013.
A previsão, anunciada em 2012, é que as novas notas de R$ 5 e R$ 2 fossem substituídas até meados de 2015, completando a troca para a segunda "família" do real. Desde 2010, a substituição das notas da primeira família do real ocorre gradualmente, à medida que elas são retiradas em decorrência de seu desgaste natural. As notas da primeira "família", no entanto, seguem válidas.

domingo, 28 de julho de 2013

Parabéns a todos os agricultores não só hoje mas sempre.


Em discurso a líderes civis, Papa cita protestos e pede diálogo com o povo


Francisco disse que o estado laico permite convivência pacífica de religiões.
Jovem falou sobre como abandonou as drogas após entrar para igreja.

Do G1, em São Paulo

Um país cresce, quando dialogam de modo construtivo as suas diversas riquezas culturais: cultura popular, cultura universitária, cultura juvenil, cultura artística e tecnológica, cultura econômica e cultura familiar e cultura da mídia"
Papa Francisco
O Papa Franscisco pediu neste sábado (27), em encontro com representantes da sociedade civil no Theatro Municipal, no Rio de Janeiro, "diálogo construtivo" para enfrentar o presente. "Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo. O diálogo entre as gerações, o diálogo com o povo, a capacidade de dar e receber, permanecendo abertos à verdade", afirmou o pontífice (leia a íntegra do discurso no final da reportagem).
Acompanhe em tempo real o dia do Papa.

"Um país cresce, quando dialogam de modo construtivo as suas diversas riquezas culturais: cultura popular, cultura universitária, cultura juvenil, cultura artística e tecnológica, cultura econômica e cultura familiar e cultura da mídia. É impossível imaginar um futuro para a sociedade, sem uma vigorosa contribuição das energias morais numa democracia que evite o risco de ficar fechada na pura lógica da representação dos interesses constituídos", disse.
Segundo Francisco, "é impossível imaginar um futuro para a sociedade, sem uma vigorosa contribuição das energias morais numa democracia que evite o risco de ficar fechada na pura lógica da representação dos interesses constituídos".
Favorável à pacífica convivência entre religiões diversas é a laicidade do Estado que, sem assumir como própria qualquer posição confessional, respeita e valoriza a presença do fator religioso na sociedade, favorecendo as suas expressões concretas"
Papa Francisco
Para o Papa, "será fundamental a contribuição das grandes tradições religiosas". "Favorável à pacífica convivência entre religiões diversas é a laicidade do Estado que, sem assumir como própria qualquer posição confessional, respeita e valoriza a presença do fator religioso na sociedade, favorecendo as suas expressões concretas", afirmou.
"Quando os líderes dos diferentes setores me pedem um conselho, a minha resposta é sempre a mesma: diálogo, diálogo, diálogo. A única maneira para uma pessoa, uma família, uma sociedade crescer, a única maneira para fazer avançar a vida dos povos é a cultura do encontro; uma cultura segundo a qual todos têm algo de bom para dar, e todos podem receber em troca algo de bom", completou Francisco.
Ao final do discurso, o Papa beijou crianças no palco, cumprimentou diversos representantes presentes no teatro e colocou um cocar na cabeça após receber o adereço de líder indígena. Antes dele, o jovem Valmir Júnior, de 28 anos, fez um discurso emocionante, lembrou que foi usuário de drogas e que a igreja o ajudou a se recuperar. Ele destacou ainda que espera que a Jornada Mundial da Juventude "deixe um legado social" para a cidade do Rio de Janeiro.
Missa para bispos
Antes, o pontífice celebrou numa missa a bispos e padres na Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Rio de Janeiro, e pediu para os religiosos, citando Madre Tereza de Calcutá, que promovam uma "cultura do encontro" e que sirvam aos pobres nas favelas, tendo "orgulho de nossa vocação". O pontífice criticou a "cultura da exclusão" na sociedade, na qual "não há lugar para o idoso, para a criança", e disse que é preciso ir contra essa tendência.
Francisco deixou a residência no Sumaré, na Zona Norte, em carro fechado por volta das 8h. Já no Centro da capital, ele embarcou no papamóvel e percorreu o resto do trajeto até a igreja com o papamóvel, de onde acenou para os fiéis e beijou algumas crianças. Centenas de peregrinos correram pelas ruas para acompanhar o veículo, que chegou ao templo pouco antes das 9h.
A missa foi restrita a bispos, padres e convidados que vieram de diversas partes do país para a Jornada Mundial da Juventude. Francisco cumprimentou e conversou com religiosos no interior da Catedral na sua chegada.
Ao fim dos primeiros compromissos oficiais do dia, ele segue para a casa no Sumaré, onde almoça com cardeais e integrantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Às 19h30, Francisco dá início à vigília em Copacabana.
Mudanças no trânsito
O trânsito do Centro e da Zona Sul tem alterações para a caminhada de 9,5 km da Jornada Mundial da Juventude. Os peregrinos que vão participar da vigília e da Missa de Envio irão percorrer da Central do Brasil a Copacabana, onde está montado o palco principal.
O trajeto tem início na Central do Brasil, passando pela Avenida Presidente Vargas, Avenida Rio Branco, Aterro do Flamengo, Enseada de Botafogo e Rua Lauro Sodré, chegando até o bairro de Copacabana pelo Túnel Novo na Rua Princesa Isabel. O bairro será fechado totalmente a partir das 12h, com 24 pontos de bloqueio.
Inicialmente, as cerimônias seriam realizadas em Guaratiba, na Zona Oeste. A transferência para Copacabana foi feita após as chuvas dos últimos dias alagarem o terreno. A caminhada feita pelos jovens até a vigília é uma tradição das Jornadas, e a manutenção dela, fazendo com que os peregrinos andem um longo percurso, foi um pedido feito pela organização (veja no mapa o trajeto da caminhada).
Encenação da Via Sacra
Na sexta (26), o Papa Francisco emocionou os fiéis de Copacabana em seu 5º dia no Brasil, benzendo a estátua de São Francisco de Assis durante sua passagem pela Orla, acenando para os peregrinos rumo à encenação da Via-Sacra e pedindo uma oração em homenagem às vítimas do incêndio da Boate Kiss, ocorrido no início do ano em Santa Maria (RS).
Mais cedo, ele ambém ouviu a confissão de jovens, encontrou menores infratores e rezou o Ângelus, que tratou da importância dos anciãos e das crianças na construção do futuro dos povos. Na mensagem, o pontífice pediu que os jovens presentes enviassem uma saudação aos seus avós.
Confira a íntegra do discurso do Papa:
Excelências,
Senhoras e Senhores!

Agradeço a Deus pela possibilidade de me encontrar com tão respeitável representação dos responsáveis políticos e diplomáticos, culturais e religiosos, acadêmicos e empresariais deste Brasil imenso. Saúdo cordialmente a todos e lhes expresso o meu reconhecimento. Queria lhes falar usando a bela língua portuguesa de vocês mas, para poder me expressar melhor manifestando o que trago no coração, prefiro falar em castelhano. Peço-vos a cortesia de me perdoar! Agradeço as amáveis palavras de boas vindas e de apresentação de Dom Orani e do jovem Walmyr Júnior. Nas senhoras e nos senhores, vejo a memória e a esperança: a memória do caminho e da consciência da sua Pátria e a esperança que esta, sempre aberta à luz que irradia do Evangelho de Jesus Cristo, possa continuar a desenvolver-se no pleno respeito dos princípios éticos fundados na dignidade transcendente da pessoa.
Todos aqueles que possuem um papel de responsabilidade, em uma Nação, são chamados a enfrentar o futuro "com os olhos calmos de quem sabe ver a verdade", como dizia o pensador brasileiro Alceu Amoroso Lima [“Nosso tempo”, in: A vida sobrenatural e o mundo moderno (Rio de Janeiro 1956), 106]. Queria considerar três aspectos deste olhar calmo, sereno e sábio: primeiro, a originalidade de uma tradição cultural; segundo, a responsabilidade solidária para construir o futuro; e terceiro, o diálogo construtivo para encarar o presente.
1. É importante, antes de tudo, valorizar a originalidade dinâmica que caracteriza a cultura brasileira, com a sua extraordinária capacidade para integrar elementos diversos. O sentir comum de um povo, as bases do seu pensamento e da sua criatividade, os princípios fundamentais da sua vida, os critérios de juízo sobre as prioridades, sobre as normas de
ação, assentam numa visão integral da pessoa humana. Esta visão do homem e da vida, tal como a fez própria o povo brasileiro, muito recebeu da seiva do Evangelho através da Igreja Católica: primeiramente a fé em Jesus Cristo, no amor de Deus e a fraternidade com o próximo. Mas a riqueza desta seiva deve ser plenamente valorizada! Ela pode fecundar um processo cultural fiel à identidade brasileira e construtor de um futuro melhor para todos. Assim se expressou o amado Papa Bento XVI, no discurso de abertura da V
Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em Aparecida. Fazer que a humanização integral e a cultura do encontro e do relacionamento cresçam é o modo cristão de promover o bem comum, a felicidade de viver. E aqui convergem a fé e a razão, a dimensão religiosa com os diversos aspectos da cultura humana: arte, ciência, trabalho, literatura... O cristianismo une transcendência e encarnação; sempre revitaliza o pensamento e a vida, frente a desilusão e o desencanto que invadem os corações e saltam para a rua.

2. O segundo elemento que queria tocar é a responsabilidade social. Esta exige um certo tipo de paradigma cultural e, consequentemente, de política. Somos responsáveis pela formação de novas gerações, capacitadas na economia e na política, e firmes nos valores éticos. O futuro exige de nós uma visão humanista da economia e uma política que realize cada vez mais e melhor a participação das pessoas, evitando elitismos e erradicando a pobreza. Que ninguém fique privado do necessário, e que a todos sejam asseguradas dignidade, fraternidade e solidariedade: esta é a via a seguir. Já no tempo do profeta Amós era muito forte a advertência de Deus: «Eles vendem o justo por dinheiro, o indigente, por um par de
sandálias; esmagam a cabeça dos fracos no pó da terra e tornam a vida dos oprimidos impossível» (Am 2, 6-7). Os gritos por justiça continuam ainda hoje.

Quem detém uma função de guia deve ter objetivos muito concretos, e buscar os meios específicos para consegui-los. Pode haver, porém, o perigo da desilusão, da amargura, da indiferença, quando as aspirações não se cumprem. A virtude dinâmica da esperança incentiva a ir sempre mais longe, a empregar todas as energias e capacidades a favor das pessoas para quem se trabalha, aceitando os resultados e criando condições para descobrir novos caminhos, dando-se mesmo sem ver resultados, mas mantendo viva a esperança. A liderança sabe escolher a mais justa entre as opções, após tê-las considerado, partindo da própria responsabilidade e do interesse pelo bem comum; esta é a forma para chegar ao centro dos males de uma sociedade e vencêlos com a ousadia de ações corajosas e livres. No exercício da nossa responsabilidade, sempre limitada, é importante abarcar o todo da realidade, observando, medindo, avaliando, para tomar decisões na hora presente, mas estendendo o olhar para o futuro, refletindo sobre as consequências de tais decisões. Quem atua responsavelmente, submete a própria ação aos direitos dos outros e ao juízo de Deus. Este sentido ético aparece, nos nossos dias, como um desafio histórico sem precedentes. Além da racionalidade científica e técnica, na atual situação, impõe-se o vínculo moral com uma responsabilidade social e profundamente solidária.
3. Para completar o “olhar” que me propus, além do humanismo integral, que respeite a cultura original, e da responsabilidade solidária, termino indicando o que tenho como fundamental para enfrentar o presente: o diálogo construtivo. Entre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo. O diálogo entre as gerações, o diálogo com o povo, a capacidade de dar e receber, permanecendo abertos à verdade. Um país cresce, quando dialogam de modo construtivo as suas diversas riquezas culturais: cultura popular, cultura universitária, cultura juvenil, cultura artística e tecnológica, cultura econômica e cultura familiar e cultura da mídia. É impossível imaginar um futuro para a sociedade, sem uma vigorosa contribuição das energias morais numa democracia que evite o risco de ficar fechada na pura lógica da representação dos interesses constituídos. Será fundamental a contribuição das grandes tradições religiosas, que desempenham um papel fecundo de fermento da vida social e de animação da democracia. Favorável à pacífica convivência entre religiões diversas é a laicidade do Estado que, sem assumir como própria qualquer posição confessional, respeita e valoriza a presença do fator religioso na sociedade, favorecendo as suas expressões concretas. Quando os líderes dos diferentes setores me pedem um conselho, a minha resposta é sempre a mesma: diálogo, diálogo, diálogo. A única maneira para uma pessoa, uma família, uma sociedade crescer, a única maneira para fazer
avançar a vida dos povos é a cultura do encontro; uma cultura segundo a qual todos têm algo de bom para dar, e todos podem receber em troca algo de bom. O outro tem sempre algo para nos dar, desde que saibamos nos aproximar dele com uma atitude aberta e disponível, sem preconceitos. Só assim pode crescer o bom entendimento entre as culturas e as religiões, a estima de umas pelas outras livre de suposições gratuitas e no respeito pelos direitos de cada uma. Hoje, ou se aposta na cultura do encontro, ou todos perdem; percorrer a estrada justa torna o caminho fecundo e seguro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...