PMI

PMI

SAAE

SAAE

MINALEGAZ COPAGAZ

MINALEGAZ COPAGAZ

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Primeira leva de vacina do ebola deve chegar à Libéria nesta sexta-feira

Remessa será a primeira a chegar em um dos países mais afetados.
Ela será usada nos primeiros testes de grande escala da vacina.

Da Reuters
Voluntário Andrew Matzen recebe uma vacina de ebola experimental no Centro de Imunização Clínica e Medicina Tropical de Oxford, na Inglaterra, em 16 de janeiro (Foto: Reuters/Eddie Keogh)Voluntário Andrew Matzen recebe uma vacina de ebola experimental no Centro de Imunização Clínica e Medicina Tropical de Oxford, na Inglaterra, em 16 de janeiro (Foto: Reuters/Eddie Keogh)
O primeiro carregamento da vacina experimental para o ebola produzida pela farmacêutica GlaxoSmithKline foi enviado à África Ocidental e deve chegar à Libéria no final desta sexta-feira (23), informou a empresa britânica.
Na quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o surto de ebola na África Ocidental, o pior já registrado, parece estar regredindo, mas alertou contra o relaxamento. A epidemia causou 21.724 casos em nove países desde que começou na Guiné há um ano, e cerca de 8.641 pessoas morreram.
A remessa inicial de 300 ampolas de vacina da GSK será a primeira a chegar a um dos três países africanos mais afetados pela doença, afirmou a farmacêutica em comunicado.
Ela será usada nos primeiros testes de grande escala da vacina nas próximas semanas, e os agentes de saúde que ajudam a cuidar de pacientes do ebola estarão entre os primeiros a recebê-la.
Os pesquisadores esperam inscrever até 30 mil pessoas na fase de testes durante as próximas semanas, um terço dos quais devem receber a vacina da GSK.
O medicamento, co-desenvolvido pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH) e pela Okairos, empresa de biotecnologia comprada pela GSK em 2013, está sendo usado atualmente em testes de segurança de fase 1 na Grã-Bretanha, nos EUA, na Suíça e no Mali, com cerca de 200 voluntários.   
"Os dados iniciais da fase 1... são encorajadores e nos dão confiança no progresso nas próximas fases... que irão envolver a vacinação de milhares de voluntários, incluindo agentes de saúde atuando na linha de frente do combate", disse Moncef Slaoui, responsável do setor de Vacinas Globais da GSK.    
A vacina usa um tipo de vírus congelado de chimpanzé para fornecer material genético seguro da cepa de ebola do Zaire, responsável pela nova epidemia no oeste africano.   
Dados mostram que a vacina é segura para humanos, incluindo a população da região africana mais atingida, e em uma variedade de dosagens, informou a GSK, que já escolheu a dose mais apropriada para o teste na Libéria.
Slaoui enfatizou que o remédio da GSK, assim como de outros candidatos, como os da colaboração entre a NewLink Genetics e a Merck, da Johnson & Johnson e da Bavarian Nordic, ainda encontra-se em desenvolvimento e não pode ser utilizado a até que se mostre seguro e eficaz.    
Comentando o avanço contra o surto e as vacinas em desenvolvimento, Jeremy Farrar, diretor da instituição de caridade britânica Wellcome Trust, disse: "Este certamente não é o momento de... reduzir os esforços. Não há dúvida de que precisamos de novas vacinas e terapias para esta epidemia e tentar evitar e reagir às inevitáveis epidemias futuras."

Chuva esperada para 20 dias cai em 10 horas e provoca estragos no litoral

Medição apontou 133,6 milímetros das 19h às 5h desta sexta-feira (23).

Rio Pilões acabou transbordando em Cubatão e desalojou várias pessoas.

Orion Pires e Guilherme Lucio
Do G1 Santos

O forte temporal que atingiu o litoral de São Paulo durante a madrugada desta sexta-feira (23) deixou ruas e estradas alagadas na região e dificultou o acesso às principais rodovias que seguem no sentido de São Paulo. Moradores encontraram problemas para sair de casa por causa de inundações nos bairros. A entrada de Santos, pela avenida Martins Fontes, via que dá acesso a rodovia Anchieta, no sentido São Paulo, ficou completamente alagada (veja imagens da chuva que atingiu a região).
Motoristas não conseguiram passar pela Avenida Martins Fontes (Foto: Indira Rodrigues/Arquivo Pessoal)
Motoristas ficaram presos na entrada de Santos
(Foto: Indira Rodrigues/Arquivo Pessoal)
Segundo a medição da Base Aérea de Santos, das 19h de quinta-feira (22) até às 5h desta sexta-feira, foram registrados 133,6 milímetros de chuva. O número corresponde ao esperado para 20 dias do mês de janeiro. Em Santos, foram registrados pelo menos dez deslizamentos nos morros da cidade. Técnicos da Defesa Civil fizeram vistorias nos morros do José Menino, Santa Terezinha, São Bento, Caneleira e Marapé, que seguem em estado de atenção. Segundo o Corpo de Bombeiros, não há informação sobre pessoas feridas na cidade. Um prédio na rua Visconde de Faria, no bairro Campo Grande, teve a garagem invadida pela água. Pelo menos 10 carros ficaram submersos.
Interdições
O excesso de chuva causou bloqueio nos dois sentidos da avenida Nossa Senhora de Fátima, entre a entrada de Santos e a rua Ana Santos. A avenida Martins Fontes também permanecia alagada por volta das 13h, tanto para quem segue em direção a São Paulo, quanto para quem chega  pela via Anchieta, entre Instituto Médico Legal (IML) e parte do bairro do Saboó. Agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) foram ao local para organizar o trânsito.

Região do Orquidário, em Santos, amanheceu alagada (Foto: Renan Fiuza / G1)Região do Orquidário, em Santos, amanheceu alagada (Foto: Renan Fiuza / G1)
Os pontos de alagamento na cidade também tiveram reflexo na policlínica que atende bairros da Zona Noroeste, como Alemoa, Rádio Clube, Castelo e Areia Branco. A unidade está fechada e as consultas agendadas para esta sexta-feira serão remarcadas, segundo a prefeitura.
Mesmo com a pausa das chuvas após às 7h, a Defesa Civil alertou para que os motoristas evitem passar por pontos como a rua Godofredo Fraga, no morro Santa Terezinha e também na rua São Silvestre, no morro do São Bento. Houve ainda queda de árvore na rua Bolívia e também na avenida Washington Luiz, no Canal 3.

O bairro Pilões, em Cubatão, sofreu novamente com a chuva pela segunda noite seguida. A sirene que alerta para os alagamentos tocou e alguns moradores precisaram se abrigar em uma Igreja. A Prefeitura disponibilizou colchões para cerca de 200 pessoas. Algumas casas ficaram totalmente alagadas com a subida do nível do rio e várias pessoas ficaram desalojadas. Algumas casas chegaram a ficar com mais de 2 metros de água dentro.

Em São Vicente, além do trecho urbano da rodovia Imigrantes, o motorista que tentou passar pela avenida Monteiro Lobato - Linha Vermelha, na manhã desta sexta-feira, no sentido de Santos, precisou retornar. Diversos pontos da via ficaram alagados e somente motos conseguiam passar pelo local. Trechos do Jóquei Clube também apresentaram problemas. Além disso, uma cratera surgiu por conta da chuva na rua Pero Lopes de Souza.

Bairros ilhados
De acordo com a moradora Dilma Santana da Silva, de 33 anos, o Hospital Municipal de São Vicente (Crei) ficou inundado. "Fui levar uma amiga para fazer raio-x e começou a chover muito forte. Tinha água por todo lugar e várias goteiras. Inclusive materiais para descarte misturados no aguaceiro. Fiquei com medo de pegar alguma infecção, pois tive que ficar exposta a tudo isso. Não tinha higiene no local", disse Dilma ao G1.

Pacientes e acompanhantes ficaram expostos a chuva (Foto: Dilma Santana/Arquivo Pessoal)Pacientes ficaram expostos à chuva em São Vicente (Foto: Dilma Santana/Arquivo Pessoal)
Ainda em São Vicente, no bairro Vila São Vicente, o auxiliar operacional Ivan da Silva Nóbrega, de 32 anos, não conseguiu ir trabalhar. "Minha rua está completamente alagada. Não tenho a possibilidade de ir trabalhar. Estou completamente ilhado. A água que invadiu a minha casa já saiu, mesmo assim, tive perdas materiais. Perdi móveis e alguns eletrodomésticos. Perdi tudo o que não deu para levantar", afirma.
Já em Santos, no bairro Vila São Jorge, a situação é parecida com a cidade vizinha. "A chuva arrancou os portões do prédio onde moro. Com esse temporal que caiu, não me atrevo a sair. A enchente foi muito grande, poucas vezes vi isso. Fui socorrer a minha filha que estava com o carro ilhado e nem guincho conseguia chegar ao local. Ela acabou perdendo o veículo", afirma a autônoma Zélia Barreto, de 64 anos.

Seguro-desemprego está 'ultrapassado' no país, diz Levy ao 'FT'

Ministro citou a necessidade de cortar subsídios para ajustar economia.

Recentemente, governo endureceu o acesso a benefícios previdenciários.

Do G1, em São Paulo
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anuncia aumento de tributos nesta segunda-feira (19) (Foto: Agência Brasil)
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy
(Foto: Agência Brasil)
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou nesta sexta-feira (23), que o atual modelo de auxílio-desemprego do país está "completamente ultrapassado", durante entrevista ao jornal "Financial Times", concedida no Forum Economico Mundial, em Davos, na Suíça.
Em inglês, Levy utilizou a expressão "out-of-date" (em tradução livre, obsoleto ou ultrapassado) para referir-se ao sistema de benefícios previdenciários, citando a necessidade de "livrar-se de subsídios e ajustar os preços" como providências imediatas de sua política fiscal.
No fim do ano passado, o acesso a auxílios previdenciários como pensão por morte e seguro-desemprego ficou mais rigoroso após a edição de medidas provisórias. A medida pode ser considerada uma “minirreforma previdenciária”, parte do pacote do "período de austeridade" anunciado pelo ministro.
Levy também reconheceu que o período de ajuste pode impactar no crescimento econômico. "Acredito que a economia parada não pode ser descartada como uma possibilidade embora o PIB no Brasil seja resiliente", afirmou à publicação.

O ministro disse também que acredita que suas reformas estão em linha com as tendências internacionais, em particular as políticas ára estimular a economia nos Estados Unidos e na China. "O mundo está mudando e é hora de o Brasil mudar", afirmou.Ainda sobre a política de cortes e ajuste fiscal, o ministro acrescentou que "assim que sua equipe colocar a casa em ordem, a reação será positiva", referindo-se à necessidade de estimular a demanda e resgatar a confiança do mercado. Ele reconheceu, contudo, que as medidas anticíclicas tem suas limitações.

Sobre a presidente
Levy afirmou, ainda, que considera a presidente Dilma Rousseff uma pessoa "muito decidida e que entende suas escolhas". O ministro disse ao jornal britânico que não está sozinho no governo, argumentando que outras reformas estão sendo feitas em outros ministérios do segundo mandato da petista, como de Energia e Agricultura.

38 moradias do Minha Casa, Minha Vida estão sendo construídas em Floresta Azul

Texto e fotos: Ascom Floresta Azul | Infraestrutura

28 das 38 casas populares que estão sendo construídas ao lado do bairro Raimundo Sálvio, depois do estádio de futebol em Floresta Azul, já estão em ponto de telhado. As casas estão sendo feitas pelo programa Minha Casa, Minha Vida 2, do Governo Federal, via Ministério das Cidades. O recurso liberado é da ordem de 950 mil reais, com custo por casa de 25 mil reais, e a liberação é feita por etapas.

A primeira etapa do recurso liberado para a construtora foi para a fundação das moradias. A segunda etapa da obra é para o levante de paredes (que se encontra na parte final), para em seguida a Caixa Econômica Federal liberar o recurso para cobrir todas as 38 residências; e na parte final, reboco, pintura, elétrica e hidráulica. A CEF só libera recurso para a etapa seguinte com o término da etapa anterior.

"A construção dessas 38 moradias é uma grande vitória da administração Sandra Cardoso. Existe uma certa demora no levante das paredes, mas tudo é de responsabilidade da construtora que só recebe pelo que faz. A prefeitura vem dando todo o suporte possível. Agora mesmo estamos limpando e nivelando as ruas e tirando todo o mato nas proximidades das casas. Em breve os postes serão colocados, além da rede de esgoto e a parte hidráulica," disse Antonio Carlos, gerente de Infraestrutura.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Ibicaraí – Prefeito acompanhado de assessores e vereadores inspeciona obras no distrito Emílio Isabel (41)

\
Texto e fotos André Luiz Evangelista

Na manha da última quarta-feira (21), o prefeito Lenildo Santana acompanhado de assessores e vereadores, visitou o distrito Emílio Isabel (41), onde conversou cm populares e supervisionou obras.

O prefeito, acompanhou de perto, a recuperação da rua que da acesso ao cemitério daquela localidade, e também os trabalhos de limpeza do Campo municipal que ali existe.

“Nosso governo, tem trabalhado muito, aqui na Vila Emílio Isabel (41), principalmente na parte de saneamento básico, já concluímos mais de 1500 m (um mil e quinhentos metros) de esgotamento sanitário, e, a próxima etapa, atenderá a população próxima a rua do cemitério.” Disse o prefeito Lenildo Santana.            

Veja o guia do IPVA 2015

Saiba como fica o pagamento do imposto em cada estado e no DF.

Alguns estados dão desconto para pagamento em cota única.

Do G1, em São Paulo

selo ipva 2015 (Foto: Arte G1)
A cobrança do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) começa em janeiro em boa parte do país.
O pagamento é obrigatório e a alíquota varia conforme o modelo do veículo e também o estado em que o contribuinte reside.
Para elaborar o guia do IPVA 2015, o G1consultou os governos estaduais e do DF. Confira abaixo prazos para pagamento e como fica o imposto.

mapa acre (Foto: Arte G1)

mapa alagoas (Foto: Arte G1)

mapa amazonas (Foto: Arte G1)


mapa amapá (Foto: Arte G1)


mapa bahia (Foto: Arte G1)


mapa ceará (Foto: Arte G1)


mapa distrito federal (Foto: Arte G1)


mapa do espírito santo (Foto: Arte G1)


mapa de goiás (Foto: Arte G1)


mapa maranhão (Foto: Arte G1)


mapa minas gerais (Foto: Arte G1)


mapa mato grosso (Foto: Arte G1)


mapa mato grosso do sul (Foto: Arte G1)


mapa pará (Foto: Arte G1)


mapa paraíba (Foto: Divulgação)


mapa de pernambuco (Foto: Arte G1)


ipva no piauí (Foto: Arte G1)


ipva no paraná (Foto: Arte G1)


ipva no rio de janeiro (Foto: Arte G1)


mapa rio grande do norte (Foto: Arte G1)


mapa rio grande do sul (Foto: Arte G1)

mapa rondônia (Foto: Arte G1)


mapa roraima (Foto: Arte G1)


mapa santa catarina (Foto: Arte G1)

mapa sergipe (Foto: Arte G1)


mapa são paulo (Foto: Arte G1)


mapa tocantins (Foto: Arte G1)

Sisu passa a marca de 2,5 milhões de inscritos; prazo termina às 23h59

Às 11h desta quinta, sistema tinha 2.510.924 inscritos, segundo o MEC.

Nesta edição, são oferecidas mais de 200 mil vagas em cursos superiores.

Do G1, em São Paulo
A 13 horas do fim do prazo, o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação registrou a marca de 2,5 milhões de candidatos. Às 11h, segundo dados divulgados pelo MEC, o sistema já tinha 2.510.924 inscritos.
O prazo de inscrições termina às 23h59 desta quinta (22).
Os candidatos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2014 podem se inscrever pelo site sisu.mec.gov.br. O resultado da primeira chamada regular será divulgado no dia 26 de janeiro.
O Sisu usa, para fazer a seleção para as vagas, as notas do Enem 2014, que foram divulgadas no dia 13. No total, são 205.514 vagas em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior.
Para concorrer, o estudante precisa informar o número de inscrição e a senha usados no Enem. Quem não lembra a senha pode solicitá-la no site do Enem. Cada candidato poderá escolher duas opções de vagas em qualquer instituição participante.
TOTAL DE INSCRITOS NO SISU 2015
(até 18h de terça-feira, dia 20/01)
UF Candidato
Inscritos
Acre
17.452
Alagoas
45.826
Amazonas
41.506
Amapá
12.077
Bahia
142.774
Ceará
126.360
Distrito Federal
39.707
Espírito Santo
26.739
Goiás
59.731
Maranhão
67.576
Mato Grosso
39.260
Mato Grosso do Sul
31.800
Minas Gerais
230.934
Pará
85.266
Paraíba
76.639
Paraná
79.814
Pernambuco
134.481
Piauí
59.376
Rio de Janeiro
180.559
Rio Grande do Norte
64.773
Rio Grande do Sul
90.504
Rondônia
13.082
Roraima
5.597
Santa Catarina
23.176
São Paulo
223.989
Sergipe
33.428
Tocantins
14.848
Fonte: MEC/Inep 
Toda madrugada o sistema informará a nota de corte dos cursos. Por isso, é importante que o estudante monitore a nota de corte dos cursos escolhidos até o fim do prazo de inscrição.
Do total de vagas ofertadas por universidades federais, institutos tecnológicos e universidades estaduais nesta primeira edição do Sisu, 82.879 (ou 40%) estão destinadas a estudantes que atendam aos quesitos da Lei de Cotas, ou seja, que tenham cursado todo o ensino médio em escolas públicas.
Pela lei, neste processo seletivo do Sisu, pelo menos 37,5% de suas vagas são para cotistas. Até 2016, as instituições deverão atingir o percentual de 50% de vagas reservadas.
Além da Lei de Cotas, algumas instituições promovem reserva de vagas por ações afirmativas, como vaga para deficientes, quilombolas ou um índice maior para alunos negros, pardos ou indígenas. No total, 12.825 vagas do Sisu são reservadas para ações afirmativas das universidades e institutos.
VEJA DEZ PASSOS PARA SE INSCREVER NO SISU
1) Escolha dos cursos
Ao efetuar sua inscrição, você deve escolher, por ordem de preferência, até duas opções entre as vagas ofertadas pelas instituições participantes do Sisu. A escolha não precisa seguir uma lógica, um aluno pode escolher cursos que não têm nada a ver entre si, como medicina e letras. Também pode escolher cursos de instituições diferentes.

2) Tem direito às cotas?
Você fez todo o ensino médio em escola pública? Então é preciso definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas de acordo com a Lei nº 12.711/2012 (Lei de Cotas) ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições. Ao todo, 82.879 (ou 40%) estão destinadas a estudantes que atendam aos quesitos da Lei de Cotas, ou seja, que tenham cursado todo o ensino médio em escolas públicas.

3) Como é a divisão das vagas para cotistas?
Das vagas reservadas para estudantes que cursaram o ensino médio em escolas públicas, metade é destinada para alunos com renda familiar bruta mensal por pessoa de até um salário mínimo e meio. E ainda há um percentual das vagas que são reservadas para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

4) Monitore a nota de corte
Durante o período de inscrição, uma vez por dia, o Sisu calcula a nota de corte (menor nota no Enem 2014 para ficar entre os potencialmente selecionados) para cada curso com base no número de vagas disponíveis e no total dos candidatos inscritos naquele curso, por modalidade de concorrência. Veja se com sua nota é possível entrar naquele curso. O ideal é monitorar até o final do prazo de inscrição.


5) Você pode mudar de ideia
É possível mudar os cursos escolhidos quantas vezes quiser durante o período de inscrição. O que vale são os cursos definidos ao final do processo.

6) Onde vai estudar?
Se você escolheu um curso de uma universidade de outro estado, converse com sua família para ver como será possível estudar em outra cidade, e veja se a universidade oferece recursos como auxílio moradia para quem é de fora.

7) O que vai estudar?
As instituições oferecem quatro tipos de curso de graduação: licenciatura, bacharelado, tecnológico e Área Básica de Ingresso (ABI).

Na licenciatura, o curso dá diploma para atuar na educação básica. No bacharelado, o curso é de formação científica ou humanística, que confere ao diplomado competências em determinado campo do saber para o exercício de atividade profissional, acadêmica ou cultural, com o grau de bacharel.
O curso tecnológico confere ao diplomado competências para atuar em áreas profissionais específicas, caracterizadas por eixos tecnológicos, com o grau de tecnólogo. No curso ABI, após a conclusão de um conjunto básico de disciplinas, é possível escolher entre duas ou mais formações acadêmicas.
8) Fazer o que quer ou fazer o que dá?
Muitos estudantes sonham com um curso muito disputado, mas a nota de corte é muito maior do que a nota alcançada no Enem. E agora? Vale analisar se realmente uma opção que não estava nos planos pode ser uma boa solução ou apenas um "quebra galho". Muitos alunos entram em cursos só porque a nota permite, mas acabam se arrependendo e nem chegam a fazer a matrícula.

9) Quando sai o resultado?
A primeira chamada de aprovados sai no dia 26. Os estudantes aprovados terão de 30 de janeiro a 3 de fevereiro para efetuar a matrícula na instituição onde passou. E deverão levar os documentos exigidos para a matrícula exigidos por cada instituição. Quem não foi chamado na primeira chamada pode se inscrever na lista de espera no site do Sisu e concorrer às vagas do curso que colocou como primeira opção que não tiverem sido preenchidas. A partir de 11 de fevereiro as instituições vão realizar novas chamadas para preencher as vagas.

10) Prouni, Fies e outras opções
Quem não entrou pelo Sisu poderá se inscrever no Prouni, que oferece bolsas de estudos em universidades particulares. As inscrições serão abertas dia 26. Também podem concorrer ao financiamento estudantil (Fies) e cursar uma universidade particular pagando pelo curso depois de formado. O Ministério da Educação ainda oferece o Sisutec e o Pronatec, para quem quer cursar o ensino técnico profissionalizante.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...