DAHIANA DIVULGAÇÃO

DAHIANA DIVULGAÇÃO

ADAUTO NASCIMENTO

ADAUTO NASCIMENTO

SAAE

SAAE

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Inflação oficial é a menor para setembro desde 1998, diz IBGE

Inflação oficial é a menor para setembro desde 1998, diz IBGE

IPCA passou de 0,44% em agosto para 0,08%, em setembro.
Alimentos ficaram mais baratos e influenciaram índice; leite recuou 7,89%.

Do G1, em São Paulo e no Rio
Leite foi um dos alimentos que mais pesaram para o consumidor em Ribeirão Preto em julho deste ano (Foto: Reprodução/ EPTV)Leite ficou mais barato e puxou para baixo inflação dos alimentos em setembro. (Foto: Reprodução/ EPTV)

Em setembro, o leite ficou mais barato e alivou a pressão que vinha exercendo nos últimos meses sobre o Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país.
Sob a influência do leite e de outros alimentos, o indicador perdeu força de agosto para setembro, ao passar de 0,44% para 0,08%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Para o mês de setembro, a taxa de 0,08% é a menor desde 1998, quando o IPCA havia recuado 0,22%. Considerando todos os meses, o índice é o menor desde julho de 2014, quando ficou em 0,01%.
"Setembro é um mês em que a gente vê poucos sinais negativos ou perto de zero porque é justamente quando começa a entressafra. Os piores resultados são no meio do ano.
Especificamente neste mês a inflação foi muito pressionada pelos alimentos por causa do choque de oferta", disse Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.
De agosto para setembro, foi a queda de preços dos alimentos que pressionou a desaceleração do IPCA. De um avanço de 0,3%, a variação de preços desse grupo recuou 0,29%. O leite, por exemplo, que vinha registrando altas seguidas nos últimos meses, ficou 7,83% mais barato em setembro. Também influenciou o recuo dos alimentos consumidos dentro de casa, que chegou a 0,6%.
Outro grande vilão da inflação de alimentos que registrou queda foi o preço do feijão. O feijão-carioca caiu 4,61%, o feijão-preto 3,77% e o feijão-mulatinho 1,45%.
Não foram todos os alimentos que tiveram redução de preços. A carne, em compensação, subiu 1,43% e impediu que a queda da variação desse grupo fosse maior. “O preço da arroba subiu pouquinho, mas as distribuidoras aumentaram o preço para o varejo”, disse.
Também caíram os preços de artigos de residência (-0,23%) e transportes (-0,10%) - influenciados por passagens aéreas (-2,39%), por automóveis usados (-1,5%) e pela gasolina (-0,40%). Do lado dos artigos de residência, recuaram os preços de TV, som e informática (-1,15%) e mobiliário (-0,65%). Quanto aos itens em queda, os demais destaques foram hotel (-6,53%) e cigarro (-3,32%).
O que ficou mais caro
Na contramão, os preços relacionados à habitação ficaram mais altos (0,63%), puxados pelo botijão de gás, que ficou 3,92% mais caro. Também subiram mais os valores cobrados por excursões (2,09%), alimentos para animais (1,42%), calçados (1,23%), cabeleireiros (1,19%), planos de saúde (1,07%), ônibus intermunicipais (0,88%), empregados domésticos (0,87%), etanol (0,83%), emplacamento e licença (0,81%), manicure (0,69%) e telefone fixo (0,63%). Também recuaram os preços de hotel (-6,53%) e cigarro (-3,32%).
Por regiões
Campo Grande registrou a maior variação do IPCA em setembro, 0,48%, e a região metropolitana do Rio de Janeiro teve deflação de 0,17%, influenciada pela queda de 29,91% nas diárias dos hotéis. Em agosto, as tarifas haviam ficado 111,23% mais caras por causa da Olimpíada.
Estimativas
No ano, de janeiro a setembro, o indicador acumula alta de 5,51%. No mesmo período de 2015, a variação havia sido de 7,64%. Já em 12 meses, a IPCA está em 8,48%, abaixo dos 8,97% relativos aos 12 meses anteriores.
estimativa do mercado financeira para o IPCA de 2016 - acumulado em 12 meses - é de 7,23%, segundo o boletim Focus, do Banco Central, mais recente. A cada semana em que a pesquisa é divulgada, a previsão vem diminuindo. No entanto, ainda permanece acima do teto de 6,5% do sistema de metas e bem distante do objetivo central de 4,5% fixado para este ano.
INPC
O IBGE também divulgou nesta sexta-feira o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). De agosto para setembro, o indicador passou de 0,31% para 0,08%. No ano, o índice acumula alta de 6,18% e, em 12 meses, de 9,15%. Em setembro de 2015, o INPC registrou 0,51%.

Veja a variação de preços dos alimentos e bebidas

Leite condensado
8,26%

Leite em pó
5,64%
Farinha de mandioca
3,40%

Cafezinho
2,17%

Chocolate e achocolatado em pó
2%

Queijo
1,92%

Café da manhã
1,63%

Açúcar cristal
1,58%

Café moído
1,55%

Doces
1,48%

Carnes
1,43%

Frango inteiro
1,25%

Arroz
1,13%
Iogurte
1,12%

Refrigerante
1,09%

Outras bebidas alcoólicas
0,80%

Cerveja
0,76%

Frutas
0,75%

Açúcar refinado
0,69%

Lanche fora
0,65%

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...